A leitura infantil e seus benefícios para as crianças

A leitura infantil e seus benefícios para as crianças

Ao aprender a ler, a criança descobre um novo mundo de imaginação e possibilidades. Mas mesmo antes disso, a leitura já pode ser desenvolvida pelos pais para estreitar laços com os filhos, estimular a criatividade e aprender as primeiras palavras. 

Incentivando o hábito da leitura nas crianças desde os primeiros anos escolares, você contribui para o seu desenvolvimento social, emocional e cognitivo. Veja alguns dos seus benefícios: 

Amplia e enriquece o vocabulário. 

Os livros ajudam as crianças a conhecerem as primeiras palavras e estabelecer a relação delas com imagens e sons. Depois dessa fase, os livros com frases completas e mais informação oferecem a possibilidade de a criança conhecer palavras diferentes e a ter seus primeiros contatos com as estruturas gramaticais. 

Com o vocabulário ampliado, as crianças se expressam melhor e passam a conhecer melhor a relação das palavras sinônimas, antônimas e homônimas, aprendendo a aplicá-las corretamente no dia a dia. 

Desenvolve os conhecimentos ortográficos. 

A leitura não beneficia apenas a comunicação verbal, mas principalmente a escrita. Quanto mais lê, mais a criança escreve com facilidade e assertividade, pois se familiariza com as palavras escritas de acordo com a norma culta, acostumando-se a escrevê-las de forma correta.  

É importante ressaltar que esse benefício só é válido quando a criança tem contato com a norma culta desde cedo, através dos livros. Textos em sites e redes sociais, por exemplo, muitas vezes não seguem a norma culta e expressam erros de português, o que faz com que o leitor não aprenda de forma correta. 

Quem escreve corretamente, seguindo as regras gramaticais e ortográficas, tem mais oportunidades nos estudos e no mercado de trabalho.  

Contribui para a interpretação de texto. 

A comunicação somente se completa quando a mensagem enviada pelo emissor é recebida e compreendida pelo receptor. Quando a criança é exposta desde pequena a frases, histórias e textos em geral passa a interpretar essas informações, fazendo disso uma prática constante. 

Com tempo, além de compreender os textos, a criança passa a entender melhor os significados intrínsecos como figuras de linguagem e analogias, ampliando cada vez mais sua capacidade de interpretação e expressão. 

Abre as portas do conhecimento. 

Além dos benefícios da leitura em si, os conteúdos dos livros, cartilhas e demais materiais ampliam o conhecimento das crianças. Através do hábito da leitura, elas podem aprender sobre história, outras culturas, ciências, suas próprias emoções e até mesmo raciocínio lógico. 

É normal que crianças que estejam passando por esta fase fértil de descobertas se interessem mais por um assunto do que por outros. Nestes casos, o ideal é incentivá-la a investigar ainda mais sobre o tema, fornecendo mais materiais adequados à idade dela que possam ajudá-la em sua pesquisa. 

Promove a consciência da cidadania. 

Aumentando seu leque das opções de leitura e o seu conhecimento de mundo adquirido como tempo, a criança começa a ter consciência do seu papel no mundo. Lendo sobre culturas diferentes, formações familiares distintas e até mesmo estilos de vida diferentes do seu, ela passa a desenvolver melhor a empatia, que é a capacidade de se colocar no lugar do outro. 

Isso é muito importante nos anos escolares, pois é onde acontecem mais situações de aceitação, ansiedade e insegurança. A criança que lê tem mais segurança de si, podendo estar mais preparada e aberta ao diálogo, à compreensão e a conciliação.  

Para desenvolver bem estes valores, sempre pergunte à criança o que ela achou de determinada história ou como ela se sentiu após ler determinado livro. Isso irá ajudá-la também a desenvolver sua inteligência emocional. 

No Colégio Integração, o hábito da leitura está presente desde os primeiros anos escolares, na Educação Infantil. Porque acredita que o bom desenvolvimento da linguagem oral e escrita é condição primordial que prepara os alunos para se tornarem cidadãos atuantes, participativos e cientes do seu papel na sociedade. 

O desafio de incentivar alunos em sala de aula

Por mais estudado e preparado que esteja para exercer seu papel, todo professor sabe que é muitas vezes preciso se superar em sala de aula para ganhar atenção do aluno e promover o seu aprendizado. Considerando que o processo de aprendizagem é uma via de mão dupla, não depende apenas do educador, mas também da disposição de quem recebe o conhecimento, incentivar alunos a estudar ganha ainda mais importância. 

Para desempenhar com sucesso essa difícil tarefa de manter os alunos estimulados a aprender, aqui vão algumas dicas. 

Trabalhar o bom relacionamento com os alunos. 

Professores que se relacionam bem com os estudantes têm mais facilidade para conquistar sua admiração. A partir daí, conseguem inspirá-los a se dedicar aos estudos. Um caminho para isso é demonstrar qualidades como atenção, respeito, paciência e receptividade. 

Tratar os alunos de forma individualizada, chamando-os pelo seu nome também contribui para estreitar esse bom relacionamento. E alguns casos vale conversar com os alunos que apresentam mais dificuldade de aprendizado para entender seus motivos. 

Respeitar a individualidade de cada um. 

Colocar-se no lugar do outro é um gesto de empatia muito importante nas relações sociais e mais ainda no ambiente de ensino e aprendizado.

Professores que reconhecem, compreendem e respeitam a individualidade de cada aluno podem identificar suas particularidades e resolver seus problemas de forma mais eficaz, estabelecendo uma relação mais próxima com o indivíduo. 

Apresentar tarefas desafiadoras. 

Essa dica é muito importante para as tarefas de casa. Para diminuir o risco de não fazê-las, o professor pode pedir tarefas que exijam maior raciocínio, desafiando o aluno a superar os obstáculos e provar sua própria capacidade. 

Estimular a curiosidade. 

A curiosidade é inerente ao ser humano. Quando fica curioso, o aluno procura saber mais sobre o assunto, o que pode beneficiar a aquisição de conhecimentos, a promoção de debates e a superação de dificuldades. 

Estimular a curiosidade em alguns assuntos da matéria vai fazer com que o aluno tenha mais interesse em se aprofundar no tema.  

Engajar os alunos através da tecnologia. 

Complementar o conteúdo passado com vídeos, imagens e outros recursos tecnológicos, ajuda a conquistar a atenção e o interesse do aluno naquilo que precisa ser estudado. 

Por estar presente não só no ambiente escolar, mas no cotidiano de todas as pessoas, a tecnologia pode ser aproveitada não apenas durante as aulas, mas na retenção do conhecimento também em casa. 

Cativar os alunos pelo discurso. 

Todas as dicas citadas acima são muito importantes para incentivar alunos em sala de aula e até mesmo casa, aprimorando seu processo de aprendizado. Porém, o efeito delas será muito maior se o professor tiver a capacidade e o talento de cativá-los durante as aulas.  

Um discurso claro e que desperte o interesse de quem o ouve é fundamental. Para isso, o caminho é adotar as estratégias dos oradores: fazer pausas ao invés de expor todo o conteúdo de uma vez; organizar certas frases e ideias específicas da mensagem para que sejam lembradas; diferenciar entonações e o volume daquilo que pronuncia. 

É essencial que o professor demonstre uma atitude positiva diante dos alunos, pois assim será mais fácil para evidenciar suas qualidades. 

No Colégio Integração, além da forte formação acadêmica, os professores passam por cursos e treinamentos que os ajudam a desenvolver suas habilidades dentro de sala de aula.

Dessa forma, estão cada vez mais preparados para incentivar alunos a aprender mais e melhor. 

A boa formação, o bom professor deve apresentar uma atitude positiva diante dos alunos: suas qualidades ficarão evidentes se ele demonstrar sua determinação em fazê-los aprender. 

A importância da família na escola

A educação de crianças e adolescentes não é responsabilidade exclusiva da escola, tampouco da família.

Um aspecto importante para entender esse tema tão complexo é compreender que uma formação que permite o desenvolvimento integral deles, considerando suas dimensões física, emocional, intelectual, social e simbólica, deve contar com a união de atores corresponsabilizados pela educação. 

A partir desse pensamento, no âmbito do aprendizado acadêmico, é possível ver a família como uma parceira em potencial da escola, colaborando e participando do planejamento, da gestão e das práticas educativas.  

A parceria entre família e escola, portanto, é um dos principais elementos para o sucesso da educação. Quanto mais em sintonia pais e escola estiverem, mais pleno e seguro será o desenvolvimento da criança e do adolescente.  

É comprovado que a participação dos pais no ambiente escolar traz segurança aos educandos. Eles se sentem acolhidos, encorajados e responsáveis por seus atos, pois estão sendo observados de perto.  

Percebendo que os pais e os familiares estão interessados em sua rotina de aprendizado e nas experiências que adquire na escola, o estudante se sente protagonista da sua história. Essa percepção melhora sua autoestima e estimula seu desenvolvimento

Contudo, o dia a dia e as longas jornadas de trabalho podem comprometer a atuação presente dos pais na rotina estudantil dos filhos. Nesse caso, é preciso redobrar os esforços, focar na organização e no planejamento para conseguir o tempo necessário à proximidade com a vida escolar das crianças.  

É importante lembrar que acompanhamento não significa cobrança. O aluno deve se sentir estimulado, motivador e prestigiado, não cobrado, para evoluir de forma prática e agradável em seu contexto de aprendizagem. 

Outro fator essencial para o bom entendimento entre as partes é a família confiar na proposta pedagógica da instituição onde seus filhos estudam diariamente. Por sua vez, a escola deve cumprir as diretrizes pedagógicas estabelecidas, cobrando envolvimento e participação dos responsáveis. 

Para reforçar a importância da família na escola, incentivando essa parceira, aqui vão algumas dicas: 

1. Acolher os pais e responsáveis. 

Para que a parceria seja eficaz, a escola deve acolher pais e responsáveis no ambiente educacional. O bom relacionamento deve ser trabalhado constantemente.  

2. Disponibilizar canais eficientes de comunicação. 

A tecnologia cada vez mais presente tem contribuído bastante para criar e manter canais eficientes de comunicação entre pais e escola. Eles permitem a troca de informações e ideias com muito mais agilidade, favorecendo o acompanhamento e o processo de aprendizagem.  

3. Investir na confiança.

Toda parceria, para dar certo, exige confiança. A família precisa entender seu papel e acreditar na proposta da escola, para que as orientações de ensino e o cumprimento das regras sejam seguidos pelos alunos de maneira serena e sem interferências.  

4. Estimular a criatividade pedagógica. 

Escolas que buscam formas alternativas e criativas de ensino são mais valorizadas pelos pais. Inclusive, eles se sentem mais dispostos a participar. Ações e propostas educacionais que cativam os alunos tendem a aproximar ainda mais gestores, professores e pais, fortalecendo o diálogo e a evolução das crianças.  

5. Aceitar e crescer com as críticas. 

Críticas construtivas ajudam a fortalecer a relação entre família e escola na busca de soluções conjuntas. Por isso, devem ser encaradas como colaboração, afinal, todos estão focados no mesmo objetivo: a educação plena do aluno.  

Se você gostou desse artigo e está procurando uma escola para seu filho, conheça o Colégio Integração. Veja como nós podemos criar uma saudável parceria para a educação do seu filho.