Como ajudar meu filho a escolher a profissão? Saiba como

Como ajudar meu filho a escolher a profissão? Saiba como

A escolha profissional é uma etapa importante na vida de estudantes que estão no seu último ano escolar. Quanto antes essa decisão for tomada, melhor para o futuro vestibulando, afinal, saber exatamente qual profissão seguir pode diminuir o sentimento de dúvida e o estresse pré-vestibular.

Se você quer ajudar o seu filho na escola da profissão, é importante que entenda qual é o papel da família nesse processo. Confira algumas dicas sobre o que os pais podem fazer e o que devem evitar nessa matéria.

Como posso ajudar meu filho na escolha da profissão?

Ajude-o a desenvolver o autoconhecimento

Para tomar uma decisão acertada, é fundamental que o estudante considere seus objetivos acadêmicos, profissionais e pessoais, além dos seus interesses e habilidades. Por isso, a autorreflexão é fundamental no processo de escolha da carreira, de modo que, depois de avaliar todos esses aspectos, o estudante terá mais confiança para decidir sua profissão.

Os pais são fundamentais para o filho desenvolver o autoconhecimento. Isso porque é comum que surjam conversas sobre as preferências do estudante no ambiente familiar. A família deve aproveitar esses momentos para ouvir o filho e, posteriormente, desenvolver atividades que o estimule a descobrir as carreiras ligadas aos seus interesses e habilidades.

Os pais podem começar com atividades mais simples, como propor brincadeiras que ajudem o filho a refletir sobre suas preferências e competências, como um quiz, por exemplo. Conforme o estudante se desenvolver, a família também pode incentivá-lo a participar de workshops de profissões, a buscar orientação profissional e a desenvolver um projeto de vida para ajudá-lo na definição da carreira.

Além disso, é importante que os pais acompanhem a vida escolar do filho, auxiliando-o com os estudos em casa. Nesses momentos, é possível observar quais são as afinidades dos estudantes com as áreas do conhecimento – Biológicas, Exatas e Humanas. Isso lhe permitirá fazer um recorte de possibilidades de carreira alinhadas com o perfil do seu filho.

Estimule a descoberta, interesses e habilidades

As brincadeiras e os jogos preferidos das crianças podem indicar preferências que ajudarão a definir a carreira no futuro, assim como os hobbies no caso dos adolescentes. Por isso, estimule o estudante a participar das atividades extracurriculares oferecidas pela escola que estejam alinhadas aos seus interesses.

A participação nas atividades extraclasse contribui para uma formação mais completa, eleva a autoconfiança, melhora o rendimento escolar, aumenta a disciplina, promove o autoconhecimento, desenvolve a capacidade de trabalhar em equipe, o senso de responsabilidade e a proatividade. E esses benefícios acompanharão o estudante durante toda a vida, inclusive facilitando sua entrada no ensino superior e no mercado de trabalho.

Auxilie-o nas pesquisas sobre os cursos e as profissões

É hora de pesquisar opções de curso e de carreira! Junto ao seu filho, busque mais informações sobre as principais atividades, as áreas de atuação, o mercado de trabalho e as melhores graduações em guias de carreira.

Além disso, os pais devem incentivar o filho a pesquisar casos de sucesso de estudantes que já estão nas faculdades pretendidas. Outra dica é visitar profissionais da área em seus locais de trabalho para que seu filho avalie os pontos positivos e negativos da carreira pretendida.

Vale destacar que cada profissão possui diferentes frentes de atuação, o que amplia as possibilidades do estudante. Mas a decisão quanto à área de especialização dentro de uma determinada carreira não precisa ser precipitada, pois o estudante pode descobrir caminhos diferentes durante a graduação e redirecionar sua carreira de acordo com novos interesses que surgirem.

Respeite a decisão do seu filho

Respeitar e apoiar o interesse do filho é a primeira etapa para o sucesso dele. Ao impor uma carreira, os pais estabelecem como verdade que o estudante vai ser bem-sucedido ao trilhar determinado caminho, sem que esse sentimento seja compartilhado pelo estudante. É importante respeitar a vontade do filho, pois essa é a chave para que ele se mantenha motivado a se desenvolver do ponto de vista acadêmico, profissional e até financeiro.

Os pais devem incentivar o filho a manter uma dedicação constante aos estudos, desenvolvendo-se por meio de cursos de especialização, mestrados, doutorados e até uma segunda graduação a fim de complementar a sua formação. Isso porque o mercado de trabalho exige que os profissionais sejam bastante ecléticos. Por essa razão, um curso que, inicialmente, possa parecer estranho para os pais pode colaborar para que o filho tenha uma carreira de sucesso.

E o apoio da família deve estar presente durante todo o ciclo escolar e a preparação para o vestibular. Ajudar na preparação de um local de estudo adequado, na elaboração de um bom plano de estudos e incentivar a manutenção do foco com disciplina e motivação são algumas das principais formas dos pais ajudarem o filho a alcançar seus objetivos.

Caso o estudante não passe direto no vestibular, a família deve apoiá-lo para que ele não desista. Afinal, é importante ter resiliência nesse momento. E os pais têm um papel fundamental no que diz respeito à motivação do estudante, sobretudo se for necessário superar um resultado negativo.

Gostou dessas dicas de como ajudar o seu filho na escolha da profissão? Então compartilhe esse conteúdo nas suas redes sociais para que outros pais tenham acesso a essas dicas. Estamos no Facebook e no Instagram!

 

Paciência com as crianças: amiga ou inimiga?

Com certeza amiga! Neste período de quarentena, principalmente, é importante termos paciência com o pequeno para aproveitarmos cada momento.

Se você decidiu ler essa matéria é porque em algum momento já perdeu a paciência com seu filho, não é?! Mas, fique calma! As crianças precisam de atenção e paciência e muitas vezes acabam extrapolando nos trejeitos para tentar ter a atenção dos pais. O que fazer nesses casos? É simples! Trouxemos algumas dicas de como manter a calma. Com amor, paciência e carinho tudo vai ficar bem e passaremos por este período juntos. Confira:

1. Reflita sobre a impaciência

Reflita sobre o real motivo de você estar impaciente e procure resolvê-lo. Às vezes, seu filho não tem culpa de nada. Nesse caso, opte sempre pelo diálogo para melhorar a situação.

2. Dialogue

A conversa é um dos melhores jeitos para ambas as partes entenderem e refletirem sobre o ocorrido. Por isso, dialogue com seu pequeno explicando os pontos positivos e negativos da situação para que ela não ocorra novamente.

3. Respire

Respirar e contar até dez é um dos métodos que pode funcionar. Por isso, quando sentir que vai se estressar, tire um tempo para você, repense. As reações quando estamos nervosos nunca são boas, pois quando ficamos alterados há pouca “conversa” entre o lugar que recebemos as emoções (amígdala cerebral) e o lugar que processamos essas emoções (córtex frontal), por isso acabamos agindo por impulso e perdendo a paciência.

4. Lembre-se de dar bons exemplos

Se você quer que seu filho seja mais paciente, experimente começar por você. Os filhos são os reflexos dos pais, que por sua vez, são fonte de inspiração para os pequenos.

5. Reconheça seus erros

Não deu para seguir nenhuma das dicas anteriores e você acabou se alterando? Não tem problema! Respire e peça desculpas. Reconheça seus erros e converse sobre o que aconteceu. Assim, você ensina que seu filho pode se desculpar quando errar também.

 

Gostou das dicas? Agora é só praticá-las.

A importância da música na educação

O conceito de música como um remédio para a mente e o corpo é bastante antigo. A música tem muitos efeitos benéficos e age como um estímulo cerebral, capaz de baixar níveis elevados de estresse.

Para as crianças e adolescentes, a musicalização promove o desenvolvimento cognitivo e alguns benefícios para o corpo como bem-estar, tranquilidade, coordenação motora, responsabilidade, memória e muitos outros.

De acordo com o Referencial Curricular Nacional Para a Educação Infantil, RCNEI (1998), a música é entendida como linguagem musical com capacidade de comunicar sensações e sentimentos por meio do som e do silêncio e está presente em todas as culturas, sendo que na Grécia Antiga já era considerada fundamental na formação dos futuros cidadãos, ao lado da Matemática e da Filosofia.

Além disso, o contato com a musicalização auxilia no desenvolvimento da cognição, desenvolvendo habilidades que auxiliam desde a memória, criatividade, motricidade e concentração, até o aumento da percepção corporal, psicomotricidade e da coordenação motora. A infância é a fase crucial para o desenvolvimento das diferentes competências inerentes ao ser humano, que posteriormente atuarão nas suas diversas áreas de funcionamento.

Além de auxiliar na educação básica e no desenvolvimento, a musicalização estimula a interação, além de fortalecer o vínculo entre mãe ou pai e a criança, pois a presença de um adulto é fundamental.

Como a música contribui para o desenvolvimento da criança

A música funciona como um importante precursor no desenvolvimento das aptidões linguísticas da criança, assim como da sua inteligência, capacidade de expressão e da coordenação motora. Por meio do ritmo, melodia e o timbre, a música facilita o trabalho relacional da criança e consequentemente o desenvolvimento das suas competências sociais.

A musicalização é um conjunto de atividades que visa à sensibilização, e que busca ampliar os conhecimentos musicais da criança. Contribuirá fortemente para a socialização, alfabetização, inteligência, capacidade inventiva, expressividade, coordenação motora e tato fino, percepção sonora; percepção espacial, raciocínio lógico e matemático e estética.

Não importa se seu pequeno vai ou não seguir o caminho musical, ouvir música, dançar, cantar, tocar violão, batucar… A introdução dessa linguagem traz inúmeros benefícios. Uma criança que passa por um processo de musicalização desenvolve mais áreas do cérebro, é mais atenta, mais sociável, faz conexões mentais com mais facilidade, comunica-se melhor, fica menos estressada, mais concentrada, aprende a cooperar, interagir, esperar e pode ser o próximo artista do país!

Confira os principais benefícios da música no desenvolvimento da criança:

  • Concentração;
  • Coordenação motora;
  • Inteligência;
  • Habilidade musical;
  • Criatividade;
  • Cria contato com outras culturas;
  • Estimula a autoestima e o desenvolvimento emocional;
  • Fortalece relações interpessoais.

A musicalização ainda ajuda a desenvolver a inteligência musical que, segundo Howard Gardner é uma das sete de sua Teoria das Inteligências Múltiplas. Ou seja, além de desenvolver uma inteligência, seu pequeno poderá desenvolver uma habilidade. E, quem sabe, ele não tenha um futuro musical?!

Brincadeiras que estimulam a concentração

Seu pequeno adora brincar com diferentes tipos de jogos? Se a resposta é sim, temos uma ótima notícia: eles podem ajudar e muito no aprimoramento da concentração e raciocínio, fatores que influenciam diretamente no processo de aprendizagem.

Pensando nisso, trouxemos uma lista de atividades bacanas para serem realizadas em casa durante esse período de pandemia. Confira!

 

  • STOP: além de ser um jogo clássico interessante, ele estimula o raciocínio rápido das crianças e auxilia no descobrimento de novas palavras.

 

  • Jogo dos 7 erros: quem é que nunca se deparou com este divertido jogo e passou horas tentando resolver o enigma das imagens, não é mesmo? Além de prender a atenção da criança, o jogo tem como objetivo desenvolver ainda mais a habilidade de concentração.

 

  • Quebra-cabeças: grandes ou pequenos, que tal reunir a família toda neste final de semana para tentar montar uma imagem bem legal? Desta forma fica mais divertido, não é?

 

  • Dama/xadrez: que tal combinar as regras e chamar o pessoal para uma partida? Além de ser um jogo que requer muitas estratégias, ele pede uma boa dose de concentração e paciência.

 

  • Jogo da memória: por último e não menos importante, temos o jogo da memória. Como o próprio nome diz, este jogo necessita de muita atenção e concentração para memorizar as cartas presentes na mesa e vencer o jogo.

 

Após relembrar algumas atividades que certamente fizeram parte da infância de todos, que tal fazer um final de semana diferente com muitos jogos e diversão? É importante lembrar que existem milhares de outros jogos capazes de auxiliar na estimulação da memória e que a criatividade para criar novas brincadeiras é sempre muito bem-vinda.

Portanto, aproveite esse tempo em casa e boa diversão e aprendizado a todos!